Conceição do Ibitipoca, MG
Parque Estadual de Ibitipoca

Conceição do Ibitipoca, MG

O que fazer em Conceição do Ibitipoca, MG

A partir da indicação do Cláudio que me recebeu em Barbacena (veja como foi), decidi meu próximo destino sem pesquisar muito (nada) sobre: Conceição do Ibitipoca, MG. 

>> Leia também – Dicas de Viagem: Viajar Sozinho

Mais algumas horas de estradas com boa parte dela sendo de chão.

Belas paisagens e poucas, pouquíssimas opções de paradas já que era segunda feira e mesmo sendo um trecho da Estrada Real quase todos os sítios e restaurantes da beira da estrada estavam fechados.

Até entrei em um sítio restaurante com a porteira aberta mas a dona muito atenciosa me falou que só abriam de domingo, pelo menos consegui um pouco de água gelada por lá.

estrada-para-conceicao-do-ibitipoca
A ilusão de ser
Conceição do Ibitipoca
no horizonte

Toda hora que via uma cidadezinha no horizonte achava que era meu destino final, doce ilusão, era sempre a próxima. 

Conceição do Ibitipoca, MG, cidade pequena e muito bonita

Depois de muito chão, literalmente muita estrada de chão – de terra mesmo, cheguei em Conceição do Ibitipoca, uma cidade pequena mas bem bonita.

Depois de rodar um pouco por lá achei o hostel que tinha visto na internet: Hospedaria Casa Real

amigo-parque-estadual-ibitipoca
Eu e Jefersom em Conceição do Ibitipoca

Fui recebido pelo Jefersom, um hóspede que estava na cidade pois desenha mapas turísticos e passou a semana por lá para vender sua arte.

Fui recebido por ele pois os proprietários não estavam, costumam ir para o sítio no meio da tarde já que de dia de semana a cidade é muito tranquila de turismo (e de tudo que possa imaginar). 

>> Me acomanhe no Youtube e acompanhe as experiências

https://www.youtube.com/channel/UCg-BB-PhYmT0CUE0leYhWXQ
Restaurante que dá acesso ao Parque Estadual de Ibitipoca

No dia seguinte fui para o Parque Estadual do Ibitipoca (quase deixei de ir porque o dia amanheceu fechado e estava sem dinheiro impresso suficiente – a dona do hostel me vendeu um pouco porque nem caixa eletrônico tem por lá).

Ainda bem que fui para o parque, me surpreendi com as cavernas, cachoeiras, rios e a vista, que mesmo com o tempo fechada mostrava seu potencial.

Cheguei até a entrar no lago formado após a Cachoeira dos Macacos, a água congelante foi boa para deixar de sentir um pouco do frio que estava fora dela naquele dia. 

cachoeira-dos-macacos-parque-nacional-do-ibitipoca
Cachoeira dos Macacos
Parque Estadual do Ibitipoca

A noite fui comer uma pizza no centro da cidade e finalizei tomando a cerveja artesanal que o Jefersom está fazendo para seu novo projeto. 

Ver essa foto no Instagram

Conceição do Ibitipoca A partir da indicação do Cláudio (post anterior), decidi meu próximo destino sem pesquisar muito (nada) sobre: Conceição do Ibitipoca. Mais algumas horas de estradas com boa parte dela sendo de chão. Belas paisagens e poucas, pouquíssimas opções de paradas já que era segunda feira e mesmo sendo um trecho da #EstradaReal quase todos os sítios e restaurantes que a beiram estavam fechados. Até entrei em um sítio restaurante com a porteira aberta mas a dona muito atenciosa me falou que só abriam de domingo, pelo menos consegui um pouco de água gelada por lá. Toda hora que via uma cidadezinha no horizonte achava que era meu destino final, doce ilusão, era sempre a próxima. Depois de muito chão, literalmente muita estrada de chão – de terra mesmo, cheguei em Conceição do Ibitipoca, uma cidade pequena mas bem bonita. Depois de rodar um pouco por lá achei o hostel que tinha visto na internet. Lá fui recebido pelo Jefersom, um hóspede que estava na cidade pois desenha mapas turísticos e passou a semana por lá para vender sua arte. Fui recebido por ele pois os proprietários não estavam, costumam ir para o sítio no meio da tarde já que de dia de semana a cidade é muito tranquila de turismo (e de tudo que possa imaginar). No dia seguinte fui para o #ParqueEstadualdeIbitipoca (quase deixei de ir porque o dia amanheceu fechado e estava sem dinheiro impresso suficiente – a dona do hostel me vendeu um pouco porque nem caixa eletrônico tem por lá) e me surpreendi com as cavernas, cachoeiras, rios e a vista, que mesmo com o tempo fechada mostrava seu potencial. Cheguei até a entrar no lago formado após a Cachoeira dos Macacos, a água congelante foi boa para deixar de sentir um pouco do frio que estava fora dela naquele dia. A noite fui comer uma pizza no centro da cidade e finalizei tomando a cerveja artesanal que o Jefersom está fazendo para seu novo projeto. No dia seguinte acordei cedo rumo ao meu próximo destino, indicação deste meu novo amigo. #minasgerais #ibitipoca #conceicaodoibitipoca #parqueestadualdoibitipoca #parqueestadual #cachoeira #caverna #mochileiros #cidadeturistica #photograph #travelphoytograph #viajandoso #viajar #dica

Uma publicação compartilhada por Schmi em O Mundo em Lanches (@omundoemlanches) em

No dia seguinte acordei cedo rumo ao meu próximo destino, indicação deste meu novo amigo, Maringá de Minas, se não conhece, vale conhecer neste publicação.

Schmiegelow

Sou Rodrigo Schmiegelow, publicitário nascido em 86. Gosto de viajar e conhecer novos lugares e culturas desde os 11 anos. Passei pelo Canadá, África do Sul e Namíbia e agora estou em uma viagem de moto sozinho pela América - do Ushuaia ao Alaska - para conhecer lugares, pessoas e gastronomia regional simples para o meu projeto O Mundo em Lanches, onde vou transformar essas experiências em lanches deliciosos. E é só o começo, o plano é conhecer o mundo e trazer tudo para você! Acompanhe!

Deixe uma resposta