As cavernas de PETAR (Parque Estadual do Alto do Ribeiro)

petar e as incríveis cavernas

Parque Estadual do Alto do Ribeiro, conhecido pelas Cavernas de PETAR é uma região de proteção ambiental muito rica em rochas e minérios que formam cavernas e cachoeiras encantadoras.

Nesta publicação falo sobre minha experiencia no parque e mais abaixo sobre os valores para visitar as cavernas de PETAR.

Conheci parte do núcleo Santana que tem o acesso por Iporanga, na verdade pelo bairro Ouro Grosso que é como se fosse um vilarejo dessa cidade. 

Ouro Grosso é bem pequeno e aconchegante por sinal, mas ligeiramente rústico já que tem apenas uma opção de restaurante, a Pousada e Restaurante do Abílio, com mais algumas lanchonetes espalhadas pela região (quando abertas). 

acesso as cavernas
acesso as cavernas

Tão perto de São Paulo e fiquei tanto tempo sem visitar, as Cavernas de PETAR surpreendem por sua grandiosidade

Fui para o núcleo Santana, mas existem outros núcleos que pode ver neste site.

Guia Turístico para visitar as Cavernas de PETAR

Para visitar o PETAR é necessário Guia Turístico pois além de perigoso, é muito fácil de se perder dentro das cavernas já que não tem iluminação e são muito extensas.

Rio no Núcleo Santana em PETAR
Rio no Núcleo Santana em PETAR

Além disso os guias são fundamentais para contar um pouco da histórica da formação da região em seus milhares de anos, algumas curiosidades como cores, tipos de rochas e um pouco de história também fazem o passeio maior interessante. 

Minha Guia foi a Sandra, recomendo e se quiserem o contato podem me perguntar. Mais abaixo falo sobre valores. 

Ela me levou para a Caverna Santana

A principal da região, possui entre 8km e 10km de extensão por galerias e caminhos internos bem estreitos. 

Internamente é bem estruturada para o turismo, com passarelas que evitam o contato com o Rio presente em grande parte das camadas mais baixas da caverna. Tem escadas para subir as galerias e indicações de direção. 

É maravilhosa e por isso é a principal. Há estalagmites e estalactites por todo o percurso. 

Algumas estalactites que se formaram em inclinações mais íngremes (sem ser tipo teto) se transformam em lindas cortinas. Em uma galeria alta a Sandra até conseguiu fazer música ao tocar com os dedos nessas formações rochosas. É incrível e algo que só da para saber estando lá dentro. 

caverna-santana_petar
Caverna Santana

Caverna Água Suja

A água do rio que atravessa essa caverna é muito limpa, com um lindo azul em alguns trechos. Talvez tenha esse nome pois a água não é potável pela quantidade de minérios. 

É uma linda caverna também, me diferente da primeira pois além do rio estar presente pelos 800mt que andamos por lá, ela é enorme, para tentar ilustrar um pouco melhor, é como se ela tivesse um pé direito triplo, já a Santana é um pouco mais baixa. 

Cachoeira Caverna Água Suja
Cachoeira Caverna Água Suja

Nesta caverna andamos quase que o tempo todo pela água que chega até a cintura mais ou menos. 

Chegamos na primeira cachoeira, essa fica dentro da caverna, a ideia era ir até a segunda cachoeira mas com a previsão de chuva no horário que estávamos lá não foi possível. 

Na região todos contam muitas histórias de tromba d’água que acabaram tendo final trágico nas Cavernas de PETAR. 

A terceira e última caverna foi a Morro Preto

Essa caverna foi reaberta ao público neste ano, junto com mais duas. Pelo que falaram têm um trabalho intenso dos administradores para inaugurar novas cavernas. 

Caverna Morro Preto em PETAR
Caverna Morro Preto em PETAR

Essa era ainda mais alta em sua galeria inicial, contendo até um mezanino. 

Neste passeio além da Sandra fomos acompanhados de mais um Guia com um biólogo americano que estava explorando a região. Como cada guia tem que esperar cerca de 20 min da saída de outro guia, nos juntamos para aproveitar o embalo. 

Com dois guias teve um pouco mais de história. Há uns (30) anos atrás essa caverna era usada como centro de eventos, faziam festas lá dentro, e festas oficiais mesmo, com prefeitos políticos e a população da cidade. Hoje a ciência tem mais claro que isso é um absurdo por conta das formações rochosas e da vida que existe nas cavernas, mas na época nem se pensava nisso.

Não se sabe ao certo se a caverna serviu de moradia para nossos ancestrais, o que se tem certeza é que pelo menos de abrigo ela funcionava. No portal da caverna, do lado esquerdo de quem sai, tem um monte de conchas de caramujo, um alimento considerado iguaria na época. 

>> Conheça outro parque Estadual, Ibitipoca.  

Historiadores dizem que as conchas eram escondidas dentro da caverna para evitar que outras tribos brigassem pelo alimento, mas nada é muito certo. 

Isso foi o pouco que conheci, a Sandra ficou bem chateada que fiquei apenas um dia por lá pois visitei uma fração pequena de tudo o que a região oferece e ela gosta muito do que faz, de ser guia, de ensinar e mostrar um pouco do que ela pode passar para as pessoas.  

>> Quanto custou tudo em PETAR

Onde fiquei hospedado para conhecer as Cavernas de PETAR

Fiquei hospedado no Camping Moria

A diária para camping estava R$ 20,00 sem café da manhã e R$ 25,00 com café.

Eu fiquei em uns chalés que têm por lá, mas são bem rústicos e sem banheiro, a diária é R$ 50,00 por pessoa com café da manhã.

Seu Silverio do Camping Moria
Seu Silverio do Camping Moria

>> Entrada no Parque Núcleo Santana

A entrada no parque custa R$ 15,00 – eu consegui negociar com a Guia e esse valor já estava incluso no pacote com ela.

>> Guia para as Cavernas de PETAR

Paguei R$ 150,00 a diária da Sandra, gostei muito dela e ela entende bem na região e tem muita história para contar, mas existem 200 guias homologados então se for direto para lá até mesmo em período de mais movimentado, consegue guias com custo menor. Eu recomendo a Sandra. 

Comer em PETAR

Na primeira noite comi um lanche do lado do Camping Moria, foi R$ 12,00 um X-Salada com batatas fritas.

Na segunda noite jantei com um amigo que fiz no camping no Pousada e Restaurante do Abílio, estava bem gostoso, coisa simples, arroz, feijão, farofa, frango, salada a vontade por R$ 17,00.

Ah indo para lá você deve provar a bebida com receita secreta guardada a 7 chaves: Leite de Onça do PETAR.

Esse drink é como se fosse uma Amarula Brasileira, é gostoso e da para perceber que tem amendoim e canela.

Visite PETAR logo, há boatos que podem ser privatizado em breve, vale a pena conhecer. 

1 comentário

  1. Tiago Responder

    Ótima matéria, muito bem explicada. Estive lá no meio do ano e ler me trouxe as sensações à tona. Inclusive meu filho e eu também fomos guiados pela Sandra, cuja simplicidade, conhecimento e simpatia nos deixou muito satisfeitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *